Follow by Email

Total de visualizações de página

sábado, 12 de outubro de 2013

Sou eu

Helena sentada diante do teclado da máquina em sua humilde sala de estudos estava mais uma vez a pensar sobre  seus enlaces literários. Amante das palavras e da escrita  Helena fazia parte de uma história de perseguição política durante o holocausto da guerra mundial. Judia professora de canto vivia com a família em Cracóvia na Polônia. Sem  dinheiro sobrevivia dos contos que o jornal local aceitava publicar pelos trocados da única refeição diária. Resolvi fazer Helena pensar. A trouxe para mim nas perguntas que amo fazer sobre personagens ou seres reais.
Vivemos de fato ou somos ideias, ficção de nós mesmos?
Nossa poesia é mero código arrumado pra ter sentidos ao leitor, ou simplesmente sonho, fantasia, desejo de ser um dia...
Escrever eu prometo... Com ou sem Helena... Eu prometo!
É  mais fácil viver  pra realizar uma promessa do que não ter nenhuma pra cumprir? Quem vai cobrar o que escrevi ?Eu mesma?Qual será o compromisso do escritor com as afirmações que faz ? Apoia-se  na liberdade poética? Criativa? Não tem mesmo que pensar sobre os efeitos de sua escrita?No leitor... Nele mesmo o autor?

Permitir o amor liberto de grilhões da paixão na escrita é a mesma coisa que deixar a pipa, ao sabor do vento, estraçalhar-se nas torres, rasgar-se toda nos galhos, incendiar-se no fio elétrico? Ser cinza voando com sobras de eternidade...


Confessar o desejo de perpetuar no amor é mais fácil que juntar nossas coisas e partir sem direção que não a do coração sem juízo... a nos indicar caminhos íngremes intransponíveis pela razão...


Somos fruto de nossa própria ficção... Solitária ou repleta de momentos feitos de inspiração a percorrer cada dia desta vida sem nunca ter certeza se somos real ou se mera e brincante fantasia...Que para Helena começou quando, aos nove anos de idade, se viu diante da imensidão do mar a contemplar a teimosia de uma onda que corria pra dentro dele, se enchia de mais água e mais forças, e se deixava depois voltar para praia se arremessando contra uma pedra gigante que não se movia jamais... Foram horas, dias, anos inteiros reproduzindo tal imagem... Deixo Helena agora... Tornei-me a onda em todos os seus momentos, a pedra, o mar, o lugar... Nunca mais me senti limitada em meus horizontes... Todos os diagnósticos doentios tentaram me explicar à menina a jovem a mulher que fui me tornando... De mar virei rio e até riacho algumas vezes, pedra também tive que ser pra não deslocar-me da vida... Mas permaneço aquela onda que se deixa engolir pelo mar que sou  com meus sonhos, ideias e crenças que içam vela ao vento e me navegam mar afora, adentro, naufragando-me nele, em mim mesma sem Helenas pra fingir que não sou eu.



Nenhum comentário:

Postar um comentário