Follow by Email

Total de visualizações de página

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Anjo

Acordei e vi, no meio da noite
Alguém o meu sono   velar
De asas, pulseiras e   brincos
Em cima da cama a me olhar

Pensei que era sonho e sonhei
Que um anjo me vinha guardar
Debaixo de suas asas me aninhei
Assim fiquei  até o dia acordar

Sobriamente












Dizer sobriamente o que penso.
Pensar sobriamente o que eu digo.
Sobriamente pensar no que digo.
Dizer o que penso sobriamente.
Conceder  sobriamente ao pensamento, o espetáculo de palavras, sobriamente treinadas pra ser campeãs
Expressar nada além do que  sobriamente penso
Pensar nada além do que sobriamente desejo expressar
Fazer sobriamente o escrito, reverter-se não em meu favor,
Mas daquilo que quer meu pensamento sobriamente dizer

sábado, 22 de setembro de 2012

Laura








Estive hoje no Museu de Arte de São Paulo. Fui ver a exposição do Caravaggio e encontrei-me com Laura. Não a via desde sua visita ao estudio onde trabalho com  fotojornalismo. Continuava com o mesmo entusiasmo da ocasião que a conheci.

Laura é uma jovem senhora elegante e culta. Gosta de arte e coleciona viagens pelo mundo. A vejo como uma personagem saida das telas de Monet, mas não tem uma sobrinha de renda, ainda. Prometi a ela presenteá-la. Laura usa roupas leves e esvoaçantes. Tem o semblante  curioso, gestos delicados, e postura de quem  está sempre se debruçando sobre si mesma. Laura tem um jeito de olhar por sobre os próprios ombros, descendo pelos braços parando nas mãos. Inclina a cabeça graciosa quase sorridente. Conversa comigo olhando para as mãos, ajeitando o colar de pérolas que desliza sobre o peito farto protegido por um exarpe tímida de seda transparente. Tem os pés nús a fala mansa e pausada, os lábios lentos mas prontos para arremessar as palavras.  Compõe o texto de sua fala ao falar.

A convidei pra voltar ao estúdio. Ficamos de marcar.

Nos despedimos diante da Meduza, obra prima de Caravaggio, a nos olhar assutadora. Laura se despediu estendendo as mãos retirando uma das luvas de cetim, um abraço discreto, um até breve.

Acabo de chegar em casa. Estava pensando em Laura. Há algo nela que me inquieta. Talvez essa aparente solidão, ou sua enigmática figura de dama antiga, modelo das pinturas de Monet.

Era tarde e estava tensa da viagem, transito cansado e lento, lua escondida, vento demorado.

Havia pouco o que fazer, um banho, um chá, uma passeio pelo último texto sobre a pauta, e o dia vivia em mim, seu último   momento. Quanto a Laura, virou refém do pensamento.

domingo, 16 de setembro de 2012

Tarde Inquieta

Eu escutava  Clarice com mais uma e mais uma e mais uma de suas histórias. Juntava todas  e escrevia essa.

Na varanda a tarde caia quente e seca. O ar parado mostrava um certo cansaço nas folhas do coqueiro que não tinham como balançar ao vento. As nuvens não se juntavam pra combinar a chuva esperada.  Mais um dia se despedia acenando pra Clarice que  aproveitava pra visistar seus aposentos mais secretos. Acomodou-se na cadeira de vime e mergulhou no aconchego do pensamento. Remexeu guardados e preciosidades do tempo, encontrou-se jovem, e reviu paixões. Releu poemas e revisitou sentimentos. O primeiro amor que não sabia ser o autor da marca dele na pele de Clarice, o desenlace e as buscas de sensações outras. Cada amor uma história de adeus, cada adeus um registro do caminho percorrido, cada caminho percorrido uma experiência.Clarice se emociona, se busca em cada história, se desenha protagonista de si mesma, da que era, que foi e que ainda quer ser ao menos fisicamente. O pensamento mudou e com ele os planos de felicidade. Mas Clarice insiste, é apaixonada pela que viveu tantos amores, sente saudades ainda que não expressa. Se ama aquela de cada história. Fico ouvindo. Ela me pergunta: Não se choca com minhas histórias? Não me acha meio maluca? Claro que não Clarice, é de sua coragem que fala quando conta sua história. Ela então se entrega a um sorrico quase riso inteiro e conta mais uma, e mais uma. Até parece que viveu muito mais pelo que  cabe no seu repertório.  A noite chega no calor da tarde e permanece quente. Me despeço dela. Vou para o meu quarto e arrumo os quadros na parede, uma das lâmpadas do conjunto de três no globo do teto, está apagada. Fico atenta ao efeito de sua falta na claridade e penso nas histórias de Clarice e o quanto elas iluminam sua identidade, mas uma lâmpada continua apagada e ela tenta recuperar sua luz recontando cada história. Quem sabe um detalhe que ficou esquecido possa transparecer e trazer a resposta que identifica essa mulher misteriosa e inquieta de si mesma.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Poema para Tói

















MUNDO FANTASIA
                          Suê Galli (1978)
Vem brincar de sonhar comigo
Vem voar pelo ar, pelo mar
Vem comigo
Viajar pelo tempo
Na garupa do Liberdade 
E ouvir histórias de alento
Esquecer deste mundo a maldade
Vem brincar de sonhar comigo
Anular toda a realidade
Já que somos pequenos demais
Vem sonhar de ser Rei
De ser dono da vontade
Bem mansinho, sem protestos mais
Vem me acontecer
Me fazer viver... Liberdade
Me tornar uma a mais
E depois veremos
O que é que se faz com o mundo
Se mudamos o mar para o ar
Se ditamos a lei do sonhar
E se o mundo todo puder
Todos numa conduta geral
Viver com um Rei, uma fada e um palhaço no olhar
Oito horas por dia amar
O universo seria afinal
Encantado
Todo fantasiado de amor!