Follow by Email

Total de visualizações de página

domingo, 22 de maio de 2016

Estava lá.

Batia insistentemente a  porta,
O longo tempo em que estivera trancada por dentro, pra que ela não voltasse a entrar, emperrou a dobradiça, dilatou a fechadura...
Agora a chave rodava sem rumo, como ela, sem efeito.
Precisava  entrar. 
A chuva gelada caia forte batendo nos pés, subindo corpo acima, abaixo... enregelando por inteiro. 
A unica maneira de entrar seria que alguém de dentro abrisse...Mas não havia ninguém. Desde que partira sem data pra voltar...
Precisava entrar. Aconchegar-se nos aveludados pensamentos compostos de suaves melodias, acariciar os sentidos com o perfume da relva fresca, das ervas milagreiras...a ventania forte  abrira uma passagem invadindo  o ventre...fazendo-a contorcer-se...
Desesperançada, entregue ao silêncio fatal... ouve passos em direção a porta...move imperceptível a maçaneta e aos poucos...num tempo de eternidade...a porta vai se abrindo lentamente... sofrega desprega os  olhos do chão e levanta a cabeça para ver quem a salvara então...e se vê frágil mas firme e bela a estender-lhe os braços acolhendo-a. Ela  estava lá!!! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário