Follow by Email

Total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de maio de 2011

LOUIS LAMBERT: fragmento de um projeto literário futuro próximo

Meu percurso de leitora e escritora começou com Louis Lambert 


...e eu estava ali diante da biblioteca do Capitão Bernardino, mulato, herói de guerra, letrado, personagem do meu imaginário infantil, de farda oliva e estrelas de metal enfileiradas no peito e ombros.


A estante com portas de vidro, protegia do pó e da luz as preciosas obras de edição italiana, lombada em ouro e capa de couro, no silêncio guardião das letras e frases de personagens e narradores que, emudecidos aguardavam ser despertados para viver de novo na leitura.


Um tesouro precioso que eu aprendi admirar fugidia e aventureira pela imponência que causava e pelo contexto em que me encontrava.


Meu olhar se derramou sobre um pequeno volume que me encantou com suas letras em ouro que soletrei: Honoré de Balzac. Fiquei ali namorando o pequeno livro e sem que eu percebesse, o homem alto e volumoso aproximou-se com seu andar de marcha soldado, que eu já conhecia e respeitava. Chegou até a estante, abriu com uma chavinha a porta de vidro e ordenou-me: Escolha um. Em pânico e excitada como quem se vê próximo do impossível revisado, não tive dúvida fui direto ao pequeno Honoré de Balzac.


Corri para minha casa simples e ausente de livros, letras e frases, imaginários  e narradores, repleta de realidade e de personagens de carne e osso, me tranquei no quarto folheando o livro como um tesouro.


Um título me atraiu à leitura: Louis Lambert. Era um conto de Arthur Schopenhauer o filósofo de Dores do Mundo. Tratava sobre um garoto que passou a povoar minha infância e juventude. Aos dezoito encontrei Louis Lambert, um colega de escola, doce melancólico, míope, quase deprimido que passou a ser meu companheiro no trajeto para casa à volta da escola. Eram noites infinitas e estreladas para o qual a distância não existia. Conversávamos sobre letras, frases, personagens e narradores que descobríamos e trazíamos para nossa poesia concreta que tão bem adjetivava nossa amizade. Nos apaixonamos, porém a morte do Louis Lambert de meu amigo, o tirou de mim.


Nos tornamos desde então, letras, frases, personagens e narradores na busca incessante de Louis Lambert.

Nenhum comentário:

Postar um comentário