Follow by Email

Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Se eu fosse eu

Clarice Lispector propunha em um de seus textos que nos fizéssemos  a pergunta e se eu fosse eu, o que eu faria?

Me peguei naquela manhã, como me sinto as vezes, com uma vontade danada de ir embora de mim mesma. Deixar essa parafernália de ideias que sou, parar o circuito do pensamento, batimento do peito, o bombeamento de sangue, fluxo de ar...abandonar-me em algum lugar e ficar olhando de longe o que acontece...se fico ali perene, se chove e molha meu corpo, se um cão se aproxima me cheira e lambe meu rosto, se alguém se espanta e me vê, se fico imóvel o bastante, se me canso da posição e desisto de vez, me levanto, aprumo meu ser, me alongo e retomo o caminho que faço com cada movimento e cada passo, no passo a passo que preciso pra me saber e me querer, sem ter vontade mais, de me deixar em algum lugar, longe de mim perto do mar, dentro do nada, cheia da que sou e assim, busca sem fim do que não sei e do que pensei soubesse saber de mim.
Me peguei por fim decidida a não largar de mim, me prometi tantas coisas inclusive me cuidar  feito bonsai raro e dotado a vida longa e pensei então responder pra Clarice, minha musa de tantas escritas e leituras, se eu fosse eu tomaria mais cuidado com a que sou, se eu fosse eu, criaria uma rede social pra contaminar com meu pólen e aumentar minha espécie quase em extinção e se eu fosse eu, ninguém que me conhece me reconheceria, seria bem diferente dessa que sou, se eu fosse eu seria, com certeza, esta que  adoraria que fosse...se pudesse ser eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário