Follow by Email

Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Em negro


Eram artistas, escritores, cineastas, músicos, professores com certeza também, quero crer...viviam sob a repressão russa maquiada pelo governo húngaro local que se prestava a materializar o inferno da perseguição que anula valores culturais por meio da imposição ideológica, própria do novo poder que se instala. Movidos de sentimento, sensibilidade e determinação buscavam rebeldes criar uma linguagem que denunciasse a nova condição que instalava na população o medo e a resignação. Inventaram o teatro negro. Um espetáculo sem texto ou falas, apenas personagens que se movem no palco escuro... atores vestindo negro cortinas negras...tocados pelo jogo de sombras e luzes completados de figuras do cotidiano e do imaginário criando a mensagem no cenário e contexto que ganham vida com a musica suspense e fantasia num instrumental rico em percussões e compassos que imprimem pesadelo...perseguição...angustia...riso triste. Alice é escolhida para mostrar as entrelinhas do país das maravilhas e nele os horrores do holocausto. Menina cheia de imaginação Alice contracena com sombras ritmadas pela luz e pela música voando suspensa cena surreal. Trágica... cômica...crítica...Denuncias inteligentes desfilam no espetáculo de quase duas horas...O espectador ingênuo sai com a impressão de que é uma arte pra criança mal feita, o sensível e conhecedor da arte e da história, sai com lágrimas contidas e um profundo silêncio revelado ruidosamente na sensação de engano e traição... uma ironia triste revelada no teatro negro. Praga Budapeste. Fiquei pensando naquela tarde em que esse grupo sui generis se uniu para criar tal linguagem...Reuniões escondidas, lugares públicos para fugir dos secretos... suspeitos... grampeados...fuga do controle e espionagem...da perseguição...Me vi entre eles solidária naquele dia de 1945...vi os tanques invadindo Praga...nasci muito tempo depois ainda mais tempo demorei pra conhecer essa história no contexto do Século passado...Hoje, um dia do Século XXI estou aqui com todos eles no elenco do espetáculo que acabo de ver negro! Uma peça de atração turística...curiosa e interessante pela linguagem e beleza...pelo sentimento que guarda em sua origem...pelo negro...estado de ausência total da luz que representa a falta de liberdade .

Nenhum comentário:

Postar um comentário