Follow by Email

Total de visualizações de página

sábado, 10 de setembro de 2011

Musa Inspiradora


O poeta me esperava em seu casarão do Século XVIII. Fui entrando em silêncio para não desfazer aquele mundo tranqüilo com minha ansiedade com meus desarrumados desejos. Atravessei o largo salão, mobiliário em madeira escura, janelas largas e altas, paredes em afresco misturando o barroco ao renascimento...O poeta me esperava...parei diante da mesa de escrever, seus objetos dispostos prontos para serem tocados, revividos...naquele silêncio de quem ficou no passado assim tão presente em mim na busca de um futuro que não sei...Sua arte se mostra na música de Bach que escolheu pra me receber...tocava quase inaudível...um vento discreto movia o vuol transparente a balouçar através da cortina semi-aberta. Aproximei mais...vi que a janela não dava para o lado de fora do casarão, mas, para dentro dele mesmo e de mim...Um outro aposento se guardava ali...tocando leve para não quebrar todos os encantos daquela composição afastei a cortina e a vi. Sentada no divã sem encosto... ombros nus...vestes esvoaçantes derretendo-se névoas transparentes...cabelos perdidos na brisa tocada pela musica que os deixavam assim, procurando abrigo espalhando-se fios pela face, tracejando linhas tênue...as mãos repousando sobre um livro, dedos finos anéis do Século XXI... perturbadores adornam as mãos delicadas...fiquei hipnotizada por mim mesma com tamanha invenção quase a me sufocar em suicídio pela criação daquele ser. Trêmula me movo em sua direção temendo perdê-la com a emoção a sair pela boca e poros todos, do pensamento em profusão...Ela ficou...não a perdi...e então a vi no espelho sob o foco das lentes... fotografei..ela sorriu , procurou delicada caneta e papel e me estendeu sussurrando com o olhar...e então, vai escrever agora ou terei que ser ainda mais que musa inspiradora pra te fazer... inventora de mundos, pessoas, tempos, lugares...de si mesma? Se aquiete! Sente-se aqui, veja quantas palavras dançam em sua mente prontas pra agarrar um sentido, desses todos que coleciona desmedida...veja o poeta a te esperar a escrita... pra respirar e reviver versos, vida!Olhei em volta fui juntando as palavras e me entreguei a ela musa inspiradora de meus inventos co-autora... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário